Autor: José Alfredo Schierholt


Autor: José Alfredo Schierholt
> Biografia
> Livros Publicados
Montagem: Orestes Josué Mallmann

terça-feira, 18 de outubro de 2011



Prefeito e subprefeitos em 1933 em Lajeado

Pesquisadores mais jovens ou que são originários de outras querências sempre encontram dificuldades na identificação de fotografias antigas que não tem assinalados no seu verso a identidade de cada pessoa. Estamos reproduzindo aqui uma foto de 1933.
 Lajeado, como de resto o RS e o Brasil, viviam os anos difíceis da ditadura de Getúlio Vargas. O brasileiro não tolerava a ditadura. Mas, era modismo na época, quando Mussolini, Hitler, Stalin instalaram a ditadura na Itália, Alemanha, URSS, respectivamente. Anos depois, outros países também instalaram a tirania, como China, Coreia do Norte, Vietname e Cuba, até hoje.
 Cassados os mandatos eletivos de todos os senadores, deputados federais e estaduais, governadores, prefeitos e vereadores, foram nomeados os interventores para governar os estados e municípios. Em Lajeado, governou Oscar da Costa Karnal, de 20-10-1931 a 19-10-1934, mais conhecido por Cazinho, apelido que vem de Oscarzinho, pois seu pai era conhecido por Oscar, ou Francisco Oscar Karnal.
Na foto, Oscar da Costa Karnal está de traje branco. Os subprefeitos são: Ozório A. Belíssimo (1º distrito), Oto Gabriel Diel (Santa Clara), João Alberto Schmidt (Progresso), Leopoldo Feldens (Arroio do Meio), Juvêncio Menezes (Marques de Souza), Rodolfo L. Haussen (Cruzeiro do Sul), Álvaro Clímaco Ribeiro Machado (Bela Vista do Fão) e Abel Gomes Ferreira (Sério).
 
Critérios para escolha de candidatos

Quando um país adota o regime democrático pleno e inteligente, sabe que a democracia não somente se exercita no dia em que deposita seu voto na urna. Na prática, poderia ser exercitada todos os dias, de forma ampla, tomando conhecimento como a coisa pública é administrada pelos poderes políticos: Executivo, Legislativo e Judiciário. Aliás, coisa pública em latim é res pública - origem da palavra república.
Como o todo é composto de partes, dali se originam os partidos. Tomar parte ativa nos partidos políticos é essencial numa democracia. Todo o cidadão que participa de uma convenção partidária apenas para dizer "amém" quando seus dirigentes já trazem no bolso do colete a nominata dos candidatos, já deixa de exercer plenamente a democracia.
Na Convenção de um partido só deveriam ser indicados e aprovados candidatos competentes, capazes, honestos e com ficha limpa. Não basta ser popular, simpático e bom de voto. Além da simpatia, honestidade e honorabilidade - virtudes elogiáveis de qualquer cidadão -  o candidato deve ter no currículo um mínimo de estudos, capacidade e conhecimento pleno do que vai assumir.
 Se o dia da eleição é importante e essencial numa democracia, não menos importante e essencial é a convenção partidária. É lá que se cometem os maiores absurdos, mas é lá também que encontramos o melhor caminho de aperfeiçoar o regime democrático.

Pequenas biografias

Voltaire de Bittencourt Pires
Voltaire foi um famoso advogado em Porto Alegre, com escritório em Taquari, Estrela e Lajeado. Em sociedade com Manuel Ribeiro Pontes Filho atuava em Estrela, conforme O Paladino, de 4-3- 1933.
Falecendo Pontes Filho, substituiu-o Francisco Wodzig, com escritório à Praça da Matriz Lajeado, segundo A Semana de 27-10-1935. Trata-se da Praça Marechal Floriano. Voltaire nasceu em 23- 12-1905, em São Gabriel, filho de Rufino de Sousa Pires e de Dorvalina Barone Pires, mais conhecida por Dona Lila.
Diplomou-se em Pelotas, em 1936. Foi envolvido num incidente de cunho político, em Taquari, quando assassinou um chefe militar da ala florista, do Partido Republicano Liberal, fundado por Flores da Cunha. Para fugir do flagrante, prisão e perseguição política, por longo tempo permaneceu incógnito na casa da família Costa e Silva, em Taquari, até haver condições de responder o processo em liberdade, o que ocorreu em Lajeado. Voltaire foi absolvido.
Nesta pesquisa, dei minha contribuição. Faleceu em acidente aviatório, na manhã de 14-8-1950, em São Jerônimo, em Táxi Aéreo Guarani, quando ia para um júri em Lajeado. O juiz da comarca, Dr. Garibaldi de Almeida Wedy - nonagenário em Porto Alegre – fez consignar, em ata, o imenso pesar pela perda do ilustre advogado riograndense, determinando ao escrivão, João Raya Filho, que oficiasse à família enlutada e à Ordem dos Advogados do Brasil, transmitindo os votos de pesar apresentados pelo Poder Judiciário de Lajeado. Pai do Desembargador aposentado Érico Barone Pires, foi homenageado, posteriormente, com o nome de uma rua em Porto Alegre, no Bairro Partenon. Seu brilho pelos tribunais gaúchos foi resgatado pelo criminalista Amadeu de Almeida Weinmann, em seu novo livro Os criminalistas (I) - VOLTAIRE DE BITTENCOURT PIRES, lançado em 11-8-2006, pela OAB. 

Resgatando primitivos nomes

Deutschfresser - Apelido dado no período da campanha nacionalista pelos teuto-brasileiros a policiais e xenófobos que exageraram as ordens de seus superiores na proibição da fala em língua alemã. Deutsch é alemão e fresser significa glutão. O período mais crucial foi de 1942 a 1945.
Arroio das Lavadeiras - 1. Riacho afluente do Rio Taquari. Atravessa a área urbana de Cruzeiro do Sul. - 2. Riacho no Bairro Santo Antônio, em Lajeado.
Arroio das Tocas - Afluente do Rio Fão. Nasce em Progresso, junto à Cabeceira das Tocas e atravessa o distrito de Fão, com sua foz na Barra das Tocas.
 Arroio do Conde - Afluente pela margem esquerda do Arroio Castelhano, divisando a antiga Colônia de Ubatuba, em Venâncio Aires.
Arroio dos Renner - Pequeno Afluente na margem direita do Rio Forqueta, na Colônia Bastos, em Marques de Souza. O nome se deve aos irmãos Frederico e Jacó, filhos de Pedro Renner, lavradores da localidade.
Arroio Moinhos - Afluente na margem direita do Rio Forqueta, servindo de divisa da linha colonial de Tamanduá, em Marques de Souza. É o mesmo que Arroio Engenho Velho.

José Alfredo Schierholt                                                                                     Orestes Josué Mallmann
schierholt@gmail.com                                                                orestesmallmann_gremio@hotmail.com


2 comentários:

  1. Oscar da Costa Karnal, seria parente do professor da unicamp leandro Karnal, o historiador ?

    ResponderExcluir